Esqueça a perfeição das capas de revista! Forte candidata à tendência do ano, o estilo wabi-sabi prega a imperfeição, simplicidade e autenticidade

O conceito de “vida lenta”, com a criação de espaços simples, confortáveis e tranquilos, já não é uma novidade no universo da decoração e arquitetura. Tendências como o “Hygge”, proveniente do design escandinavo, dominaram projetos de interiores por todo o mundo no último ano. Em 2018, um estilo similar, mas ainda mais calcado na simplicidade, parece estar tomando força. E tem tudo para levar o título de tendência do ano! É o wabi-sabi, estilo baseado na filosofia japonesa, que valoriza as imperfeições e a aceitação do tempo.

A filosofia remonta ao Japão do século XV, como um contraponto ao luxo, abundância e super ornamentação. Os ideais do zen-budismo também estão presentes no décor wabi-sabi, que tem como um de seus preceitos a aceitação da transitoriedade das coisas.

 banheiro_by_norm_architectsMarcas do tempo ou o desgaste dos materiais devem ser valorizados nos projetos. Foto: divulgação: Norm Architects.

Isso fica evidente ao exaltar os desgastes de móveis e materiais, como uma forma de contar a história deles. Assim, embora tenha ganhado status de tendência de design, ainda hoje se destaca, sobretudo, como um estilo de vida.

Sua adoção também envolve uma reconexão com a terra, com o “eu interior” e com os simples prazeres da vida. Ou seja, busca-se autenticidade e a beleza no real. E não mais uma casa ‘semelhante’ às capas de revista. Afinal, nossos lares devem ser projetados para serem vivenciados. E se há vida, haverá imperfeição: um lençol amassado, um risco na parede, uma cadeira descascada, um pote quebrado.

wabi-sabi-tendencia-womely A madeira está presente nos móveis, paredes e nos acabamentos de inúmeros projetos no estilo wabi-sabi. Foto: divulgação Homely.

ESTILO WABI-SABI NOS PROJETOS DE INTERIORES
Na decoração, a filosofia Wabi Sabi é expressa ainda em interiores não tão “perfeitos”. Quer dizer, em layouts assimétricos, em materiais naturais e crus, no valor do imperfeito que você pode encontrar em produtos feitos à mão. Sem dúvida, esta é uma proposta relevante nos interiores atuais.

Os profissionais dispostos a aplicar essa visão nos interiores também devem valorizar acabamentos táteis. Para isso, os painéis de MDF revestidos (BP) podem ser ótimas opções para obter o visual da madeira ou da pedra natural, por exemplo. Reproduzindo os mais diversos materiais, além de padrões unicolores, os painéis funcionam especialmente bem quando combinados com outros materiais. A ideia é sempre combinar elementos naturais e quentes, com texturas.


wabisabidesignblog
Madeira, aço, ferro, linho, palha e lã são alguns dos elementos presentes na decoração de estilo wabi-sabi. Foto: divulgação Pinterest.

Paredes com tijolos expostos, pátinas e pinturas inacabadas, numa ideia de não-perfeito, são comuns em projetos do estilo wabi-sabi. Ainda assim, a madeira deve ser considerada não apenas como um acabamento para móveis, mas como um material para criar detalhes diversos. Na linha de MDF da Guararapes, experimente padrões como Pretória, Antiqua, Porto, Nairobi, Papyrus e Santorini.

norm_architects_copenhagen_townhouse_01           A autenticidade e racionalidade no uso dos elementos são pontos fundamentais na filosofia wabi-sabi. Foto:  Norm Architects.

DESGASTE NATURAL, IMPERFEIÇÕES E HISTÓRIA
A técnica Kentsugi, onde os japoneses consertam cerâmicas quebradas utilizando-se de ouro, é outro bom exemplo. O que na cultura ocidental seria descartado ou considerado lixo, acaba sendo transformando em algo precioso. A cerâmica imperfeita, aliás, está muito presente no estilo wabi-sabi e ajuda ainda a trazer cores naturais ao décor.

Dentro dessa proposta, a decoração traz ainda uma estética que valoriza o rústico, o monocromático e o aspecto natural. E apesar dessa forte conexão natural, isso não quer dizer que produtos industriais não sejam bem-vindos no estilo wabi-sabi. Só não há excessos, já que esta tendência é, acima de tudo, simples e autêntica!

A paleta de cores concentra, além do branco, tons cinzas, verdes, azuis e terrosos – devido ao uso de materiais naturais. As possibilidades de composição, junto com a madeira, ajudam a criar interiores quentes e serenos. Na verdade, os produtos e a estética vão se tornando mais interessantes à medida em que vão sofrendo os efeitos do tempo. Por isso, ranhuras, desgastes e oxidações acabam sendo valorizados nesse décor. O objetivo é, realmente, acrescentar alma aos ambientes.

cozinha_wabi-sabi                          A simplicidade dos materiais rústicos e naturais, com a valorização do aspecto artesanal, marca o estilo wabi-sabi. Foto: divulgação Pinterest.