Resposta à necessidade humana de se conectar com a natureza, design biofílico visa projetar cidades e escritórios confortáveis e energizantes

1-hotel-mason-dd-entry-design_biofilico-guararapesO retorno à natureza será um denominador comum nos escritórios e estabelecimentos comerciais com circulação de pessoas. Foto: Manrique Cartin. 

Quando concentramos nossa atenção em uma tarefa, fatores que nos perturbam nesse ambiente podem levar ao estresse. No entanto, a adoção de elementos naturais e recursos arquitetônicos podem proporcionar o sentimento de bem-estar, melhorar nosso desempenho e inspiração no local de trabalho. Essa visão, que reforça a discussão sobre a psicologia no trabalho e os escritórios do futuro, na verdade, destaca a tendência do design biofílico.

design_biofilico-guararapesA relação entre indivíduos e seus espaços de convívio pode afetar seu desempenho, sentimentos e como interagem. Foto: HLW. 

De acordo com especialistas do setor, este é um campo de estudo emergente. “O design biofílico é uma maneira de projetar os lugares em que vivemos e trabalhamos de forma a satisfazer nossa necessidade, profunda e real, de estarmos conectados à natureza”, explica a arquiteta Luize Andreazza Bussi.

Prédios corporativos, hospitais e escolas buscam criar ambientes modernos, que satisfaçam os funcionários, e os ajudem a se sentir mais saudáveis e motivados. Apple, Google e Amazon, entre outras startups, são empresas que exploram o design biofílico no local de trabalho. A ideia é promover vínculos emocionais capazes de motivar o desempenho e a produtividade das pessoas. A técnica ajuda ainda a promover a colaboração, criar zonas de meditação e reuniões informais.

khoo-teck-puat-hospital-cingapura-design-biofilico-guararapesO design biofílico vem sendo aplicado em grandes corporações, hotéis e até hospitais, como o Khoo Teck Puat Hospital, em Cingapura. Foto: Dreamstime. 

POR QUE O DESIGN BIOFÍLIO É RELEVANTE?
A Organização Mundial da Saúde espera que doenças relacionadas ao estresse, como distúrbios de saúde mental e doenças cardiovasculares, sejam predominantes até 2020. Entre os motivos está a diminuição da capacidade de recuperar a energia mental e física.

Por isso, a importância de incorporar elementos diretos ou indiretos da natureza no ambiente construído. Com o design biofílico é possível reduzir o estresse, os níveis de pressão arterial e as frequências cardíacas, ao mesmo tempo em que é possível aumentar a produtividade, criatividade e as taxas de bem-estar. “E quando se fala em bem-estar, estamos falando em três escalas: feliz, inspirado e entusiasmado”, explana Luize.

Funcionários de escritórios onde há elementos naturais, como plantas e luz do sol, por exemplo, reportam um nível de bem-estar até 15% maior. Os dados são da pesquisa Human Spaces: The Global Impact f Biophilic Design in the Workplace. A mesma pesquisa indica os cinco elementos mais desejados nos escritórios. São eles: iluminação natural, plantas e flores, escritório silencioso e tranquilo, vista ao mar ou lagos, e cores vibrantes.

booking-design_biofilico-guararapesÉ comprovado que a natureza e seus elementos tem influência sobre nosso bem-estar e exercem influência em nossa criatividade e produtividade. Foto: Office Snapshots. 

“Um ambiente com uma paleta de cores que passa a sensação de conexão com a natureza também pode ser percebido como um lugar saudável para habitar ou trabalhar. Isso pode nos ajudar a sentir estimulados ou calmos”, acrescenta a arquiteta.

COMO IMPLEMENTAMOS O DESIGN BIOFÍLICO?corporate_wellness_dubai-design_biofilico-guararapesDesign biofílico relaciona bem-estar psicológico, os ambientes de trabalho e as expectativas dos funcionários. Foto: divulgação ArchDaily. 

“Dentro dos interiores, há diversos elementos que podem ser explorados para criar conexões diretas e indiretas. Mas a eficácia depende de intervenções que estejam conectadas e integradas no ambiente geral. Não podem ser ações isoladas ou transitórias”, defende Luize Bussi.

Como exemplo, a arquiteta cita possibilidades de aplicações:

Uso de texturas, padrões e cores de materiais naturais ou semelhantes à natureza.

Otimização e organização de espaços, priorizando ergonomia e as pessoas.

Ajuste dos níveis de conforto térmico e acústico, e da qualidade do ar.

Iluminação natural abundante e luzes artificiais aprimoradas.

Jardins verticais, terraços ajardinados, plantas, fontes de água e vistas de vegetação também são elementos importantes.

“Em geral, todos os esses elementos criam efeitos psicológicos e fisiológicos positivos”, diz. Mas a arquiteta ressalta também que nosso bem-estar físico e mental continua a depender da qualidade de nossas conexões e ações com tudo que nos cerca.