A procura por uma vida conectada com elementos naturais reforça novos conceitos na arquitetura e design. Para a WSGN, o futuro dos interiores públicos e privados é verde

A busca por um estilo de vida que promova a desaceleração impacta na maneira com a qual as pessoas se relacionam com seu entorno. O bem-estar é prioridade. Para alcançar esse “status”, projetos de interiores e corporativos investem em novos modelos de arquitetura e fazem uso de móveis bem projetados e funcionais. A necessidade de conexão com a natureza é outro ponto para alcançar esse equilíbrio. Isso leva muitos profissionais e pessoas a apostarem na influência do verde para o dia-a-dia.

Verde Greenery? Eleita pela Pantone, a cor do ano (2017) é apenas mais um dos indicativos de que essa é uma tendência que veio para ficar. Mas, afinal, quais são os indicativos da presença constante de plantas nos interiores?

furniture-rombo-cascando_guararapes1Os móveis também são desenvolvidos para tornar os espaços de trabalho e convívio mais “verdes”, como a linha Rombo by Cascando. Foto: divulgação Emiliana Design Studio Cascando

Segundo a WGSN, uma das principais consultorias em tendências do mundo, a proposta de trazer o jardim para dentro dos ambientes vai nortear a maneira de morar no futuro. A incorporação da vegetação é um estilo de vida, em busca de mais conforto e tranquilidade. O “verde” e tudo que remete ao natural está presente em ambientes privados e espaços públicos, e faz surgir uma nova categoria de mobiliário.

Diversos são os estúdios e profissionais projetando móveis para serem “plantadores”. Ou seja, que sejam capazes de cumprir com suas características de mobília, mas que funcionam também como vasos para plantação. Quer saber mais sobre esse estilo de vida verde? Confira alguns indicativos apontados pela WGSN e como incorporá-los em seus projetos.

guararapes_verdeA tecnologia de hidroponia ganha força, criando formas práticas e portáteis para manter a vegetação doméstica sempre viva. Foto: divulgação Bulbo Light.

VERDE: MUITO MAIS DO QUE UMA SIMPLES COR 
A consultoria WGSN elenca alguns pontos para destacar que essa tendência vai muito além da escolha de uma cor. Ainda segundo a análise da empresa, esse movimento teve início em 2016 e só tende a crescer. Confira alguns pontos!

1) A geração de Millennials (nascidos após 1980) dá mais espaço para as plantas no lar. A ideia é criar interiores quentes e descontraídos.
2) O cultivo de ervas e pequenas hortas em casa também ressalta a abordagem de uma cozinha mais saudável e de comidas livres de agrotóxicos.

alena_yudina_guararapesAs plantas são objetos de contemplação nos ambientes e ainda contribuem para a redução dos níveis de estresse. Foto: Alena Yudina | Divulgação: Andrey Avdeenko.

3) As plantas viram itens decorativos e assumem formas esculturais nos projetos. Novas linhas de mobiliário estão sendo desenvolvidas para que os móveis possam ser utilizados também como “plantadores”. Isso demonstra, segundo a WGSN, a crescente importância dessa categoria de produtos.
4) O cultivo de alimentos e plantas decorativas em ambientes internos é facilitado por novas tecnologias. Não é preciso grandes espaços, a iniciativa de incorporar a vegetação se adequa a pequenos ambientes, conforme a conveniência da casa.
5) Os avanços em hidroponia estão permitindo ainda que a vegetação esteja presente mesmo em regiões de clima mais frio, e dentro de casa. Essa técnica permite cultivar plantas sem solo, onde as raízes recebem uma solução nutritiva balanceada.

lenne-office-in-estonia-by-kamp-arhitektid_guararapesEstudos indicam que a incorporação de plantas nos escritórios reduz o absentismo e melhoras os níveis de foco e produtividade. Foto: Lenne Office na Estônia | Divulgação: KAMP Arhitektid.

UM CANTO VERDE NA ARQUITETURA COMERCIAL 
Além de trazer a sensação de bem-estar, que ambiente não fica melhor com verde? Estantes, prateleiras e outros móveis, podem ganhar um charme a mais na companhia das mais variadas espécies. Veja mais cinco indicativos dessa tendência em espaços públicos e comerciais.

6) Os empregadores estão aproveitando plantas vivas para proporcionar aos funcionários locais de trabalho mais verdes. Pesquisas indicam que, aliada a outros fatores, a vegetação aumenta o foco e a criatividade.
7) Por acreditarem que os escritórios são grandes ecossistemas vivos, empresas de design já estão desenvolvendo itens que podem ser facilmente implantados aos ambientes de trabalho. A ideia é que a natureza também ajude na conexão entre colegas de trabalho.

queen-mama-market-seoul-store_guararapesOs varejistas estão incorporando o efeito refrescante e rejuvenescedor das plantas em espaços comerciais e lojas. Foto: divulgação Trendland. 

8) Restaurantes e hotéis também estão aumentando e decorando áreas públicas com plantas e árvores vivas. Um exemplo da utilização do verde nesses ambientes é o projeto desenvolvido pela arquiteta Cynthia Karas, no café da Casa Cor BC, que pode ser encontrado nesse post.
9) A vegetação viva também está sendo implantada em ambientes de varejo, para gerar tráfego, aumentar o tempo de permanência e até o consumo. Diversos são os estabelecimentos onde os clientes estão sentados entre árvores ou as prateleiras e paredes estão cheias de vegetação. O foco no bem-estar nunca foi tão importante como agora!
10) Arquitetos têm trabalhado para oferecer estilos de vida mais sustentáveis para os habitantes de grandes cidades. A reconexão com o mundo natural chega também a espaços muito movimentados, para gerar tranquilidade. Como é o caso da estação de trem Atocha Station (foto), em Madri (Espanha), que possui um grande jardim interno.

guararapes_estacaoOs arquitetos estão assumindo uma abordagem mais holística, para nos reconectar ao mundo natural, incluindo os projetos comerciais. Foto: Atocha Station Madri | Divulgação: Madrid Traveller.